sexta-feira, agosto 24, 2007

Parque da Pequena Flor

11 de Agosto de 2007. O dia em que a Aanifeira deu um salto qualitativo na vida dos animais que alberga.

Acredito que todas as vitórias na vida de uma associação animal são conquistadas de forma árdua e que a paciência e perseverança são as chaves para se conseguir um trabalho sério e vocacionado apenas para aqueles que albergamos.

No nosso caso particular, a falta de recursos financeiros obriga-nos a desmultiplicar-nos em bater em mil portas, levar com novecentas ausências de resposta (que são bem piores que um não), com noventa e nove promessas que nunca serão cumpridas, até que uma porta finalmente se abre. Agarramo-nos a essa porta com unhas e dentes e em nome daqueles que foram menosprezados por uma sociedade que não cumpriu com a sua obrigação, agradecemos profundamente este gesto de rara generosidade.

Foram dez árduos meses para se conseguir várias toneladas de aterro e alguém que se predispusesse a levar uma máquina capaz de efectuar uma terraplanagem. O parque onde supostamente os animais deveriam ser soltos para poderem espairecer, queimar energias e stress acumulado, já tinha o seu cercado há quase um ano, mas devido a um enorme desnível que originava acumulação de águas pluviais, nunca chegando a secar nem mesmo nos períodos mais secos, encontrava-se inactivo.

Mas finalmente esse dia chegou!

É indescritível o que sentimos na primeira vez que soltamos os primeiros cães no parque. Só posso mesmo descrever o que vimos.

Optamos por soltar os que na nossa perspectiva se encontravam nas piores condições. Aquele malfadado segundo corredor do pavilhão, onde a luz penetra indirectamente oriunda das janelas laterais do primeiro e terceiro corredores.
Escolhida a primeira box, onde residem seis cães entre o pequeno e médio porte, abrimos a porta da mesma. Os olhares assustados encostaram-se na parede do fundo, sem saberem muito bem o que fazer. “Vamos, venham” dizíamos. A porta da box completamente escancarada, caminho aberto para a saída. Encostavam-se ainda mais no fundo. Chamamos, daquela forma característica que todos se habituaram a chamar os cães, beijinho no ar “vem pequenino, vem cá”. Nada! Foram dias, semanas, meses, anos sem nunca ter saído da box… “é este o nosso mundo, porque querem que saiamos?”
Bem… o melhor mesmo é pegar neles e mostrar o que temos para lhes dar. Foi literalmente pegar neles ao colo, pois não estávamos a contar com aquela reacção e por isso nem trelas levamos. Tarefa nada fácil nalguns casos. Lembro-me de uma cadela que deve ter ingerido chumbo durante todos estes anos tal era o seu compacto peso.
Chegados cá fora, quase posso jurar que a primeira reacção foi arregalar os olhos. Pousamos no chão, olharam em redor, incrédulos com o que viam. O dia estava magnífico, como que a celebrar este lindo acontecimento. Após uns breves segundos e palavras de incentivo a alegria rebentou. Correr, brincar, saltar, cheirar novos cheiros, rebolar na terra, respirar ar fresco… VIVER! A alegria deles é absolutamente contagiante. Demos por nós a participar nas corridas e brincadeiras.
Alguns dos mais apáticos dentro das boxes, ganhavam vida cá fora, os velhinhos rejuvenesciam décadas, os que tinham uma pata partida ou defeituosa, corriam como se tivessem oito patas, até o Billy que é cego galgou todo o terreno, apercebendo-se que este tinha limites quando encostava a cabeça nos muros de vedação, voltando logo quase a trote noutra direcção exibindo a sua alegria cavando a terra e levantando poeira para todos os lados.
As reacções eram as mesmas, em todas as boxes. Primeiro medo, recusa em sair e cá fora, explosão de alegria.
Passado o tempo estipulado, voltavam com toda a tranquilidade para a box, visivelmente felizes e naturalmente um pouco fatigados.

Foi um pequeno passo dado. Para os animais que tiveram a felicidade de vir cá fora, tenho a certeza que ganharam novo ânimo, fé e esperança numa vida um pouco melhor, mesmo que esta seja o resto passada na Aanifeira.
Todavia existem neste momento cerca de 450 cães na Aanifeira e os voluntários são manifestamente insuficientes para poderem proporcionar a eles tantas saídas quanto o desejável. Para se ter uma ideia, nesse sábado apenas nos foi possível soltar 31 cães. Para quem não tem noção, isto necessita de ser gerido de forma a não haver perigo quer para os animais, quer para as pessoas. A gestão de um canil é bastante complexa. Precisamos de conjugar feitios e formas de estar, uns cães territoriais, outros submissos e ainda a existência de algumas hierarquias já estabelecidas que não podem ser perturbadas sob risco de quebrarmos o equilíbrio já existente.
Ou seja, a única forma de colmatar isso seria com um número de voluntários suficientes, com disponibilidade e fiabilidade para poderem proporcionar a todos os animais um momento periódico de liberdade que lhe daria uma qualidade de vida muito, mas muito superior à que dispõem neste momento.
É o nosso próximo desafio.

No link em anexo, poderá visualizar algumas imagens desse memorável dia.


http://aanifeira.googlepages.com/ParquedaPequenaFlor.pps


Victor Correia de Barros
Presidente

15 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns pelo o excelente trabalho desenvolvido por vós.

Fiquei sensibilizado e feliz pela a alegria evindenciada pelos os nossos queridos amigos, resultado da V. generosidade, dedicação e muita competência.

Estou grato pela a Obra e felicidade dos nossos lindos.

Calorosos cumprimentos a todos os envolvidos neste Obra.

Paulo Colares

Louzita disse...

Acho notável os esforços da AANIFEIRA, assim como a originalidade e qualidade das iniciativas de organiza, em prol daqueles que a nossa "sociedade" rejeita. Os frutos de todo esse empenhamento e trabalho árduo já são vísíveis.
Bem-haja a todos em fazem parte da família AANIFEIRA!

Anónimo disse...

Olá!
Foi incrível a montanha russa de emoções destes meninos que libertamos nesse dia, é exactamente como o Victor descreve: primeiro o medo do desconhecido quando abrimos as portas, depois o primeiro contacto com a luz directa, o calor do sol, cheiro de ar puro, e dimensão espcial e de repente... a correria, os saltos e piroetas de alegria, de boca sempre muito aberta... e virem ter connosco a agradecer o que lhes tinhamos proporcionado, impressionante!!!!!! Agora a vida deles vai mudar... mudar para muito melhor e assim vale a pena viver ;-). Parabéns Victor, a todos da Aanifeira e a TODAS as pessoas que nos ajudam directa e indirectamnete a proseguir com este maravilhoso projecto.
Sofia Sampaio

Luís Silva disse...

Descobri hoje o vosso Blog. Parabéns. Espero que consigam todos os vossos objectivos!

from_pepo disse...

Caro Vitor:
Gostaria de congratulá-lo e à sua equipa, pelo fenomenal trabalho que têm feito, na certeza de que a sua contribuição para um mundo melhor tem tido uma participação mais do que activa...

cumprimentos

Pepo

Anónimo disse...

Devo ter sido outro animal, que não homem, numa anterior vida. Penso que é a unica forma de explicar como posso sentir o que eles sentem, como me sinto tão proxima, como compreendo os seus sentimentos. Vejo os sorrisos dos vossos caes nesse dia de liberdade!Sinto o que eles sentiram e por isto tb vos agradeço. Rios partam Vitor, poes-me sempre a chorar! de emoção e de felicidade partilhada. Beijos aos meus amigos, os de 2 e de 4 pernas, ah e aos de 3 tb claro!!!

pandolet disse...

foi linda a descriçao da alegria vivida pelos meninos....finalmente liberdade..so posso imaginar...

muitos parabens, sejam abençoados =)

Anónimo disse...

Vieram-me as lágrimas aos olhos...parabéns...
Isabel Maia

Anónimo disse...

Bem hajam pelo Vosso trabalho! Não há palavras para descrever o tamanho do Vosso coração! O meu Junior manda lambidelas á Maria

sonia loureiro disse...

Fiquei em lágrimas ao ver a felicidade destes meninos. que haja muitas corridas na terra e um dono extraordinário no seu futuro.
Que Deus dê saúde e forças aos seus protectores para continuarem a proporcionar tamanha alegria a estes lindos meninos.
Xi-coração do tamanho do mundo e muitos ronrons daqui de casa para todos vocês (2 e 4 patas)

eduarda disse...

Meus amigos,
QUE GRANDE VITÓRIA !!!!

Eu vivo no Estoril mas, partilho a alegria desses patolinhas ( bem
tratados pelo aspecto ) e estou longe para poder ajudar no passeio...
Sei bem do que falam, pois sou voluntária dos " Patas Errantes " onde vou todos os sábados, mudar os amigos para o recreio e brincar um pouco com eles pois o tempo não dá para tudo. Tenho 8 amigos em casa, mais três gatinhos e um cão em hotel ( que fui retirar ao canil porque alimentava-o na rua e...),pois já estou com problemas ( vizinhos ).
Fico verdadeiramente feliz por saber que ainda há pessoas que gostam verdadeiramente destes amigos, eles merecem.
Em nome deles o meu coração transborda de gratidão.
Que a vida vos ofereça tudo o quanto dão de boa vontade.
Um abraço.
Eduarda
www.eduardacostaferraz.com
>

mafalda disse...

...ja vi um pouco o vosso trabalho e apenas me resta dizer PARABENS PARABENS PARABENS... o vosso empenho e coraçao e nobre, notorio, visivel nas expressoes dos animais...bem hajam...

Dora disse...

Parabéns!!!!!! Vi as fotos e fiquei também muito contente por vós.
Espero que tudo corra bem!

Carmo Mendonça disse...

Fiquei pasma com este relato e com inveja de não poder estar presente para assistir a esse presente dado aos meninos... Bem hajam, gostaria de estar mais pertinhode vocês, apesar dum oceano nos separar fico feliz por saber que desse lado existem pessoas com um coração grande!

Mónica Teixeira disse...

Conheci a AANIFEIRA em 1 de Novembro de 2002. Durante cerca de 2 anos fomos voluntários de sábado e domingo (eu e o m/marido)...
Entretanto, qd surgiu o Sr.Victor, por coincidência, afastamo-nos (gravidez) fisicamente, continuamos a interessarmo-nos e procurar ajudar de outras formas.
Agora sim ... a AANIFEIRA é td o k sp desejei desde o 1º dia k lá entrei - a clínica, as boxes, a "liberdade", ...
Simplesmente - SENSACIONAL!!!